Os braços que acolhem não necessariamente são os braços que amam ou desejam cuidar.
 Aquele que acolhe divide-se entre o que quer dar e o que quer receber. Porém, trata-se da experiência que se tem nos braços de quem lhe acolhe.
  Sei que este texto até aqui está parecendo algo romântico ou até mesmo referente ao relacionamento entre casais! Na verdade não!
  Meu ponto aqui tangencia o contexto de Simon, mas sem a maestria dele.
  Quando falo do abraço, referindo-me ao ato de acolher, falo da intenção.
Explico: algum chefe pode ter aprendido técnicas de Liderança, afinal existem inúmeros cursos, livros, videos sobre este tema, inclusive este que você está lendo agora.
Estas habilidades podem ser aprendidas e aplicadas, porém podem esconder a verdadeira intenção de um chefe disfarçado de lider.
  O problema é que trata-se da experiência que temos em relação àquele que está liderando.
Se nos sentimos liderados, acolhidos, ouvidos, entendidos, tendemos a chegar à conclusão de que se trata de um Lider. A história do lobo em pele de cordeiro.  Onde está a diferença? Na motivação. O Lider motiva-se pela sua visão consciente de que sua conquista depende daqueles que com ele decidiram assumir a jornada. O chefe está em busca de seu sucesso, de seus objetivos, de seus sonhos e usa sua equipe para fazer isso. A diferença é sutil, mas sempre vista nos detalhes. Ao subir, o chefe continua a “jogar fora” seu time. Uma forma de jogar fora um time é não prepará-lo para subir junto, ou para que possam ampliar a visão. O chefe suga o que a equipe tem, inclusive pode lançar mão de elogios, prêmios, benefícios para parecer que está reconhecendo seu time, quando na verdade está dopando sua equipe para que fiquem amortecidos e não vejam os detalhes da tirania.  No fim, trata-se da consistência, da coerência e no crescimento claro do time como um todo.  Liderança e Chefia! Sua diferença está nos detalhes, mas apenas para quem de fato quer ver.