MindFlow do Futuro - Um constante novo mindset.
  Apresentei anteriormente minha visão de futuro frente as tecnologias, no qual a tradução ou seu mais simples resumo se encontra na expressão:
Frederic Laloux, Consultor, Conselheiro e Autor Belga, traz um cenário histórico importante para entendermos a evolução dos seres humanos.

Existem diferentes níveis de consciência segundo Laloux, que vai do Infra-Vermelho ao Turquesa.
A escala de cores foi inspirada no trabalho de Ken Wilber da Visão Integral.
Essencialmente, a cada nivel que subimos temos um paradigma mais complexo, e por que não dizer, mais completo. Dos níveis mais recentes, de 50.000 anos para cá, temos as organizações vermelhas, para as quais o Autor traz a metáfora da Alcateia, onde o líder alfa é presente e determinante.

Do vermelho, há uma evolução para o Ambar, que pode ser bem representada pela metáfora do Exército, onde regras rígidas, títulos e a conduta pela “vara" dita, literalmente, como as coisas devem ser feitas.
O próximo nível é o Realizador-Laranja, onde muitas empresas atualmente se encontram e é fácil identificar isso, o mantra na companhia é “Resultado,” a palavra mais citada é resultado, tudo é avaliado sob a perspectiva do resultado.

A Máquina, o relógio são metáforas que bem definem este paradigma, ou este modelo mental, esta forma de ver o mundo e nele se conduzir.

Embora possa parecer apenas danoso olhar para estes três níveis de consciência, cada um tem sua luz, como diz Laloux, assim como sua sombra.

No caso das organizações Laranjas (Cuidado com os outros significados que isso pode ter no idioma falado em nosso país), são as que trouxeram toda a perspectiva de Inovação, Responsabilização e Meritocracia.
Isso definitivamente é muito bom, dado o avanço que alcançamos.
Porém, é tal qual um motor potente em alta velocidade nas mãos de um piloto que não liga muito para sinais, radares, lombadas e pedestres, haja visto o foco deste piloto: O resultado, cruzar a linha de chegada, não importa como, desde que funcione. Mas, o próximo nível pode trazer esta vantagem de avanço conseguida pelas Laranjas e ampliar seu escopo com um nível de responsabilidade muito maior, inclusivo. Trata-se do nível pluralista-verde, em que o foco sai do resultado, embora não o perca de vista, e entra o relacionamento.
Ainda temos aquele motor potente em mãos, mas agora estamos olhando, principalmente para os pedestres e outros motoristas.
  Nas empresas Verdes, que não quer dizer ecológicas, o avanço está mesmo no empoderamento, na capacidade e na confiança de que seus colaboradores, movidos por um propósito inspirador tomarão as decisões certas. O ShareHolder que ditava as normas da empresa Laranja, agora dá espaço para os Stakeholders, isso é, todos aqueles impactados pelo simples fato de um empresa existir. O salto do nível verde é para, o que Frederic Laloux chama, de evolutivo-TEAL, no qual a auto-gestão, integralidade e o propósito evolutivo regem o paradigma deste nível de consciência, que tem o organismo vivo como sua metáfora, tendo evoluído da metáfora do nível verde que é a familia.  Então, a esta altura você deve estar pensando que em meus cursos na Califórnia, (foram mais de dois meses por lá e 3 diferentes programas de estudo) eu experimentei algo verde demais. Não, nada disso, não se trata de uma visão alucinada, nem tão pouco hippie no sentido de deixar de lado o dinheiro, o lucro, os resultados. Na verdade, é bem o contrário, as empresas, que como Raj Sisodia, um dos pais do Capitalismo Consciente, define como Humanizadas (Firm of endearment) dão um resultado extraordinário.  Segundo pesquisa de um colega, Pedro Paro, para sua dissertação de doutorado e lindamente retratada na revista HSM (edição 133*), as empresas Humanizadas são duas vezes mais rentáveis do que a média, possuem clientes 240% mais satisfeitos e colaboradores 225% mais felizes.  Como Laloux diz, Trata-se de níveis de evolução e estamos evoluindo, mudando nosso paradigma, entrando em um mundo que denominei Mindflow, no qual a evolução é um processo consciente, desejado e sustentável. O difícil é largar a nossa casca de cigarra (o inseto barulhento) quando crescemos, deixar um nível para trás, para entrar em outro, largar aquilo que muito nos acalentou e nos trouxe poder e status, inovação, tecnologia, para entrar em um mundo melhor, literalmente, para muito mais pessoas. Tradições antigas já nos mostravam o caminho: desapegue, para que possa surgir o novo, desapegue, para que possa crescer, deixe sua casca velha para trás, ela já serviu ao seu propósito, agora temos outro.  *edição 133. Para os loucos por números, se você somar 1+3+3 teremos 7, que representa o infinito (não o 8 deitado) mas o sete….perdoe …x 7. O que veio é para ficar….evoluindo.
Forte abraço, amoroso, sim!  Eu sou Tiago Cardoso Petreca, sócio fundador da www.kuratore.com.br e especialista em modelos mentais e aprendizagem corporativa. Tenho ajudado diferentes empresas (em diferentes níveis de consciência) a não somente aplicar treinamentos e programas de educação, mas a olhar seu modelo mental e mudá-lo, para melhor adequar o mundo atual e futuro. no CENEX (Centro de Excelência de Porto Alegre) sou responsável pelo módulo "Liderança Autêntica" um passo em direção ao mundo TEAL.